Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Artigos

  21/05/2018 
DOM WALMOR DE OLIVEIRA

Extremismos revelam sociedade com sério desequilíbrio

 

Dom Walmor: extremismos revelam sociedade com sério desequilíbrio

O arcebispo de Belo Horizonte (MG), dom Walmor Oliveira de Azevedo, escreveu um artigo intitulado “Fim dos extremismos”. O texto, publicado no portal da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), aborda as ações radicais que se manifestam em contextos como o religioso, o mundo da política, da cultura e nas pessoas. “Os extremismos revelam que a sociedade sofre com sério desequilíbrio”, lamenta dom Walmor.

E esse desequilíbrio pode estar associado à forma de enxergar o mundo. Dom Walmor indica isso em seu artigo quando chama a atenção para que “não se pode justificar o radicalismo com o argumento de fidelidade a algo ou alguém, perdendo, assim, a competência de enxergar para além do ‘próprio quadrado’”. E também quando cita indivíduos que, sem conseguir ir além das próprias convicções e vontades, “se fecham para situações que poderiam ajudá-lo a evoluir, inclusive contribuir para a sua abertura ao exercício da generosidade e da gratidão”.

Em outro trecho, revela que “a vitória sobre os fanatismos envolve superar a convicção de que o próprio ponto de vista é a bandeira única da humanidade”, indicando um “passo fundamental” para superar os extremismos e garantir mais fraternidade às relações sociais.

O ambiente religioso é propício para extremismos, como é possível verificar no Oriente Médio e em outras partes do mundo e, mais recentemente, no Brasil.

“Causas nobres, enraizadas em princípios com profunda significação, têm se transformado em dinâmicas perigosas, radicais, que comprometem a paz e a solidariedade fraterna. Quando se radicaliza as posturas, o outro que não partilha as mesmas convicções, vira adversário, verdadeiro inimigo a ser combatido. Uma situação que faz surgir o terrorismo, a violência de todo tipo, a indiferença, a busca por ideologias políticas que já perderam o sentido e as disputas mesquinhas”, escreve dom Walmor.

O arcebispo ainda sublinha que neste contexto a solidariedade fica em segundo plano, particularmente para com os pobres – “ganhando força uma dinâmica que retarda avanços humanitários, mesmo com tantos recursos tecnológicos disponíveis”.

Enfrentar ou trabalhar para o fim dos extremismos exige compreensão a partir de estudo, atenção quanto ao fenômeno, partilha de conhecimento para uma “nova consciência social”.

Tecer novas dinâmicas capazes de transformar as atitudes do dia a dia é o desafiador caminho para vencer os extremismos, segundo dom Walmor, em meio aos amplos e profundos estudos às transformações na postura de cidadãos. Também urge a reconquista de equilíbrios, “o que inclui a recuperação do autêntico sentido das diferentes causas e das práticas religiosas”, alerta o metropolita de Belo Horizonte.

Confira o artigo na íntegra.

Última atualização: 21/05/2018 às 08:32:55
 

Notícias Relacionadas

07/07/2018    “Derrota não é o fim do mundo”
11/06/2018    “Incapacidade para aprender pode explicar o desenvolvimento pífio do país”
 
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente este artigo

Nome:
Nome é necessário.
E-mail:
E-mail é necessário.E-mail inválido.
Comentário:
Comentário é necessário.Máximo de 500 caracteres.
código captcha
Código necessário.
 

Comentários

Seja o primeiro a comentar.
Basta preencher o formulário acima.

Rua Felino Barroso, 405 -  Bairro de Fátima  •  CEP: 60050-130  •  Fortaleza - CE
Caixa Postal 126 / 60001-970  •  Fone/Fax: (85) 3252-4046

  www.igenio.com.br