Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Artigos

  06/10/2017 
DOM ROBERTO FRANCISCO FERRERIA PAZ - BISPO DE CAMPOS (RJ)

Dia do nascituro

Muito perto do dia da criança, a sociedade civil comemora uma data significativa em defesa da vida humana: o dia do nascituro. Nenhuma espécie pode sobreviver se não se respeitam seus ciclos de reprodução, suas nascentes; a sociedade humana mais ainda depende para seu futuro e desenvolvimento integral do reconhecimento da inviolabilidade da vida humana.

Não existirá nunca convivência democrática e inclusiva se, já no início, cerceamos o direito fundamental da cidadania do qual se depreendem todos os demais: o direito a existir e nascer. Quando desconhecemos o estatuto do embrião humano, negando a ele personalidade e subjetividade, estamos colocando em risco a própria civilização, investindo na barbárie dos antigos que eliminavam os nascituros que apresentavam algum defeito.

A aliança pela vida e pela veneração a toda criatura, como dom de Deus, nos leva a dirigir nosso olhar de gratidão para cada criança que nasce. Junto a um nascituro vemos nele a confiança que Deus deposita em nós, a esperança de uma humanidade renovada, porque visitada pelo céu. A violência nefanda com a qual ceifamos a vida a um ser indefeso e inocente, atualiza um holocausto silencioso, porém não menos cruel, que abandona os valores humanos mais nobres e compassivos. Se queres paz, defende a vida, protege a vida, opta pela vida, pois quando a destruímos, estamos a alimentar e nutrir o círculo de ferro e a espiral da violência que torna nosso ambiente irrespirável e totalmente inseguro.

As diversas justificações elaboradas para referendar a prática do aborto, tem como raiz comum deslegitimar a presença e alteridade do nascituro como pessoa humana, atendendo interesses ou situações às vezes sentimentais, outras de conforto financeiro, ou de dominação imperial, chamando de interrupção da gravidez, o que os bombardeios inteligentes chamam de danos colaterais, ou seja, eliminação de vidas humanas. É necessário apostar na cultura da vida, do encontro, da reverência a todo ser humano, considerando o nascituro um presente, um dom e alguém que vem para partilhar a sua vida, o seu destino, a sua missão com toda a humanidade que fica enriquecida e enobrecida com a sua chegada.

Quando aprimorarmos o nosso cuidado, ternura e valorização, em relação ao nascituro, teremos também como um desdobramento virtuoso, o cuidado para com as pessoas portadoras de deficiência, os idosos, os pobres e o respeito à integridade do planeta. Deus seja louvado!

Fonte: www.cnbb,net.br
Última atualização: 06/10/2017 às 11:02:34
 

Notícias Relacionadas

28/09/2017    Envelhecer com dignidade e qualidade de vida
21/09/2017    Por uma paz comunicativa
04/08/2017    Com Maria, padres servidores, compassivos e missionários
26/04/2017    Por uma cultura do trabalho decente, justa e solidária
19/04/2017    Tiradentes: o amor cívico e a integridade de um patriota
 
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente este artigo

Nome:
Nome é necessário.
E-mail:
E-mail é necessário.E-mail inválido.
Comentário:
Comentário é necessário.Máximo de 500 caracteres.
código captcha
Código necessário.
 

Comentários

Seja o primeiro a comentar.
Basta preencher o formulário acima.

Rua Felino Barroso, 405 -  Bairro de Fátima  •  CEP: 60050-130  •  Fortaleza - CE
Caixa Postal 126 / 60001-970  •  Fone/Fax: (85) 3252-4046

  www.igenio.com.br