Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Artigos

  12/04/2017 
PE. GEOVANE SARAIVA

Acima de todo nome

Jesus não quis o sofrimento, nem para si nem para ninguém. Ao contrário, lutou generosamente para combater os males, as doenças, as injustiças da humanidade marginalizada. Busca uma única coisa: o reino de Deus e sua justiça. Vemo-lo identificado com a perseguição e também com o martírio, mas em fidelidade ao projeto do bom Deus. Por isso mesmo, vive num clima desfavorável, pela insegurança, conflitos e ameaças, sem jamais se distanciar ou se afastar da morte.

O belíssimo hino do apóstolo Paulo, na sua carta aos Filipenses, exorta-nos, em tônica expressiva, forte e ao mesmo tempo sintética, sobre a vida e a missão de Jesus de Nazaré: “Cristo Jesus, que era de condição divina, não Se valeu da Sua igualdade com Deus, mas aniquilou-Se a Si próprio. Assumindo a condição de servo, tornou-Se semelhante aos homens. Aparecendo como homem, humilhou-Se ainda mais, obedecendo até à morte, e morte de cruz” (cf. Fl 2, 6-7).

Como é bom parar diante da liturgia da Quinta-Feira Santa, quando os sacerdotes, ministros da Igreja, ficam cingidos com uma toalha, para lavar os pés de pessoas de suas comunidades. É claro que pode surgir a pergunta, que vale para todos: Estamos dispostos, no exemplo de Jesus, a lavar os pés uns dos outros, isto é, a ajudar na cruz dura e pesada de cada dia de muitos irmãos? Também num mundo tão complexo e diverso como o nosso, temos disposição interior, no sentido de diminuir preconceitos, intolerâncias e intransigência para com nossos irmãos, vendo neles o rosto do Filho Amado do Pai?

Já na Sexta-Feira da Paixão, o sacerdote, presidente da celebração, prostra-se diante do altar, num gesto indizível e de profundo e inaudito simbolismo, do ponto de vista da reverência, humildade e penitência. A expressão da Igreja, na celebração da Paixão do Senhor, é muito forte no seu significado, levando os cristãos a se voltarem para a grandeza de Deus envolvido em mistério. Nada mais apropriado e de melhor sentido do que as palavras do Servo de Deus, Dom Helder Câmara: “Que eu possa aprender afinal, cobrir de véus o acidental e efêmero, deixando em primeiro plano, apenas, o mistério da redenção”.

Que a liturgia da Semana Santa possa, de verdade, permear nosso imaginário do sagrado, numa ardorosa busca sempre maior, da nossa intimidade com Cristo, culminando na conversão do coração. Somos todos convidados a refletir, do mais íntimo do íntimo, sobre a paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo: “Eu me entrego, Senhor, em tuas mãos, e espero pela tua salvação”.

*Pároco de Santo Afonso, Jornalista, Vice-Presidente da Previdência Sacerdotal, integra a  Academia Metropolitana de Letras de Fortaleza – geovanesaraiva@gmail.com

Fonte: www.arquidiocesedefortaleza.org.br
Última atualização: 12/04/2017 às 08:44:41
 

Notícias Relacionadas

06/06/2017    Meio Ambiente, patrimônio de todos
18/05/2017    Maria, o caminho da paz
10/05/2017    Um Deus enlouquecido de amor
08/05/2017    Tecnologia, Entretenimento e Design, um novo Areópago
26/04/2017    A Misericórdia do Deus eterno
 
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente este artigo

Nome:
Nome é necessário.
E-mail:
E-mail é necessário.E-mail inválido.
Comentário:
Comentário é necessário.Máximo de 500 caracteres.
código captcha
Código necessário.
 

Comentários

Seja o primeiro a comentar.
Basta preencher o formulário acima.

Rua Felino Barroso, 405 -  Bairro de Fátima  •  CEP: 60050-130  •  Fortaleza - CE
Caixa Postal 126 / 60001-970  •  Fone/Fax: (85) 3252-4046

  www.igenio.com.br