Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Outras Notícias - CNBB Nacional e Arquidiocese de Fortaleza

  04/05/2019 

57ª AG - 2019: A música litúrgica presente nas sessões plenárias da Assembleia Geral dos Bispos

A música litúrgica presente nas sessões plenárias da Assembleia Geral dos Bispos

Irmão Fernando Vieira, assessor de música litúrgica da Comissão de Liturgia da CNBB anima os momentos de oração na 57ª Assembleia Geral da CNBB. Ele participa também das celebrações eucarísticas no Santuário Nacional. No plenário, ele entoa salmos na Liturgia das Horas. Conversamos com ele e trazemos as orientações da CNBB para a música litúrgica.

Em que o canto litúrgico pode colaborar para os fieis participarem bem das celebrações?

Em níveis de atuação:

1)  Quando texto e música correspondem àquilo que se está celebrando, ou seja, ao mistério pascal que se celebra naquele dia, Domingo, Festa ou Solenidade;

2) Quando os ministros da música favorecem a participação da assembleia, animando-a, e fazendo com que ela cante nos momentos correspondentes. Ex.: Partes que são próprias da assembleia: Respostas ao Ato Penitencial, Hino de Louvor, Santo, Aclamações, Refrãos dos cantos ou hinos, Refrãos dos salmos, Respostas às ladainhas ou preces e ao Cordeiro de Deus.

3) Quando o clima celebrativo permite que a assembleia se reconheça como povo celebrante em que se percebem que diversos ministros atuam naquela assembleia, sem que nenhum deles apareça mais do que o próprio mistério. Que os presidentes das celebrações e os músicos e cantores não sejam protagonistas. É necessário reconhecer que os espaços celebrativos são ambientes orantes em que se reúne ali uma assembleia de batizados.

O que as equipes de canto e liturgia das paróquias e comunidades precisam observar para exercerem bem o seu ministério?

Em níveis de reconhecimento e atuação:

1) A naturezansciente,  da liturgia: participativa, em que todos tenham plena consciência dessa participação, sendo ela ativa, frutuosa, cointerna, externa.

2) Escolhendo bom repertório que permita até as pessoas mais simples cantarem, mesmo que seja pelo menos nos refrãos ou nas respostas curtas. O canto e música não podem ser um elemento rebuscado na celebração ou alheio ao alcance das assembleias. Temos vários exemplos de grandes coros musicais e bandas ou conjuntos que não permitem que as assembleias participem do canto e da música nas horas previstas. É preciso cautela, cuidado  e formação ao se aceitar esse tipo de atuação.

3) Exige preparação remota e imediata, além de se incentivar o bem celebrar, respeitando e conhecendo os ritos, as ações simbólico-rituais e permitir que elas sejam acompanhadas com canto, ou, quando são o canto é o próprio rito, permitir que a assembleia reconheça no canto o próprio rito. Uma coisa é cantar o canto de abertura, que acompanha o rito de entrada dos ministros; outra coisa é cantar o Hino de louvor, que é o próprio rito. Antes de tudo, as equipes devem estudar os livros rituais, estudar a música, o texto, a poesia e saber dosar aquilo que é essencial tanto para o grupo de cantores como para a assembleia, mantendo-se um equilíbrio entre a coesão entre canto e rito e uma certa sensatez ou sensibilidade entre o que se vai oferecer para a assembleia naquela celebração. O canto deve ser capaz de ser expressado por todos e não por uma minoria.

Como é a experiência de animar o canto litúrgico nos momentos celebrativos da Assembleia Geral?

A palavra animar sofreu seu desgaste natural conforme o tempo, mas procuramos, de certa forma, conduzir o canto, mantendo a afinação, respeitando a melodia criada, os tempos de pausa e silencia, e, sobretudo, permitindo que a assembleia, dentre ela os bispos ali presentes, cantem conosco. Nosso papel e de condutor do que existe de mais sublime na liturgia, que é o canto e a música. Portanto, agimos em nome da assembleia que quer seu papel reconhecido na unidade das vozes, dando a ela vez e oportunidade para exercer bem seu papel de batizados. Além disso, temos a responsabilidade de escolher e sugerir antecipadamente nos momentos oportunos um dosado repertório para as diversas celebrações , seja a Liturgia das Horas, seja a Eucaristia, sejam outras formas de oração ou outros momentos da liturgia da Igreja.

Fonte: CNBB
Última atualização: 04/05/2019 às 19:33:22
 
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente esta notícia

Nome:
Nome é necessário.
E-mail:
E-mail é necessário.E-mail inválido.
Comentário:
Comentário é necessário.Máximo de 500 caracteres.
código captcha
Código necessário.
 

Comentários

Seja o primeiro a comentar.
Basta preencher o formulário acima.

Rua Felino Barroso, 405 -  Bairro de Fátima  •  CEP: 60050-130  •  Fortaleza - CE
Caixa Postal 126 / 60001-970  •  Fone/Fax: (85) 3252-4046

  www.igenio.com.br