Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Outras Notícias - CNBB Nacional e Arquidiocese de Fortaleza

  09/10/2017 
EDITORIAL

Sonhos à luz do sol

Cidade do Vaticano (RV) – No último domingo o Papa Francisco, realizou mais uma Visita Pastoral em território italiano, encontrando os fiéis de duas cidades; Cesena e Bolonha. Foram horas intensas de encontros, de apertos de mãos, de selfie, de olhares profundos e de muita oração. A passagem de Francisco por essas duas cidades tocou o coração de seus habitantes e lançou mensagens profundas de acolhida aos migrantes, de otimismo aos trabalhadores em dificuldades e de esperança para quem vive situações difíceis. Um desses encontros, que gostaria de recordar devido a sua amplidão de pensamento foi o encontro com o mundo universitário em Bolonha: foi um verdadeiro abraço ao mundo universitário na “dota Bolonha” aberta ao mundo com os seus quase mil anos de “laboratório de humanismo” fundado sobre o direito.

 

Francisco encontrou-se com a comunidade acadêmica da “Alma Mater Studiorum”, primeira universidade do mundo ocidental. Ali o Papa recebeu o “Sigillum Magnum”, máxima honorificência acadêmica.

Já no início de suas palavras aos presentes Francisco sublinhou o significado do termo "Universitas",  que encerra a ideia do “tudo” e da “comunidade, a ideia de um compromisso a “elevar a alma ao conhecimento”. Depois de chamar a atenção para a acolhida aos estudantes provenientes de todas as partes do mundo e muitos provenientes de contextos difíceis, o Papa chamou a atenção para a busca do bem. De fato, disse, é a chave para conseguir verdadeiramente ter sucesso nos estudos; o amor é o ingrediente que dá sabor aos tesouros do conhecimento e, em particular, aos direitos do homem e dos povos.

O olhar então de Francisco se dirige para três direitos que são de grande atualidade: direito à cultura, direito à esperança, direito à paz.

O direito à cultura é antes de tudo, direito de acesso ao estudo, mas também tutela de um saber humano e humanizado, não um saber que se coloca ao “serviço da melhor oferta”, que alimenta divisões e justifica opressões. Isto, afirma com força o Papa “não é cultura”. Portanto a tarefa dos universitários hoje é responder aos refrãos paralisantes do consumismo cultural “com escolhas fortes, com o conhecimento e a partilha”.

Cultura – diz a própria palavra – é o que cultiva, que faz crescer o humano. E diante de tantas lamentações e clamores que nos circundam, hoje não temos necessidade de quem se desabafa gritando, mas de quem promove boa cultura. Servem – disse Francisco – palavras que alcancem às mentes e toquem os corações, não gritos “diretos ao estômago”.

Depois o direito à esperança, que observa o Papa “no ar pesado de abandono, inquietação e solidão” que se respira hoje é o direito a não ser invadidos cotidianamente pela retórica do medo e do ódio, das frases feitas, dos populismos, e das falsas notícias. É o direito a dar voz à crônica branca, frequentemente calada e a crescer na consciência que existem na vida realidades bonitas e duradouras, que existe o “amor verdadeiro” e não aquele “usa e joga fora”.

Então uma provocação e um desejo do Papa: “quanto agradável seria que as salas de aula universitárias fossem canteiros de esperança, oficinas onde se trabalha por um futuro melhor, onde se aprende a ser responsáveis de si mesmo e do mundo! Sentir a responsabilidade pelo futuro da nossa casa, que é uma casa comum”. Mas hoje estamos enfrentando uma crise que também é uma grande oportunidade, um desafio à inteligência e à liberdade de cada um, um desafio a ser acolhido para serem artesãos de esperança.

Enfim, o terceiro direito que é também dever inscrito no coração da humanidade, o da paz. Mas hoje muitos interesses e não poucos conflitos parecem fazer desaparecer as grandes visões de paz e “lógicas particulares e nacionais”, parecem frustrar “os sonhos corajosos”.

Mas apesar disso aos jovens o Papa pede que eles não tenham medo da unidade, de não serem neutrais mas de estarem do lado da paz, porque a guerra é sempre e somente, como disse Bento XV em 1917, um “inútil massacre”. Francisco pede que não acreditem naqueles que dizem que lutar pela paz é inútil e que nada irá mudar. Pede para que não se contentem com pequenos sonhos, mas sonhem em grande. Eu também sonho – finalizou o Papa -, mas não sonho somente quando durmo, porque os sonhos verdadeiros são aqueles sonhados de olhos abertos e que são levados avante à luz do sol. (Silvonei José)

Fonte: www.br.radiovaticana.br
Última atualização: 09/10/2017 às 10:38:49
 

Notícias Relacionadas

04/10/2017    Outubro 2017: “O dia dos pobres – “Não amemos com palavras, mas com obras”
02/10/2017    Com os braços abertos
16/08/2017    Espaço Interativo - Domingo, 13 de agosto
24/07/2017    Editorial: Papa Francisco, nós também ficamos com saudades
22/06/2017    O grito dos pobres
 
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente esta notícia

Nome:
Nome é necessário.
E-mail:
E-mail é necessário.E-mail inválido.
Comentário:
Comentário é necessário.Máximo de 500 caracteres.
código captcha
Código necessário.
 

Comentários

Seja o primeiro a comentar.
Basta preencher o formulário acima.

Rua Felino Barroso, 405 -  Bairro de Fátima  •  CEP: 60050-130  •  Fortaleza - CE
Caixa Postal 126 / 60001-970  •  Fone/Fax: (85) 3252-4046

  www.igenio.com.br