Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Notícias

  15/03/2019 

Balanço dos trabalhos da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação

Balanço dos trabalhos da Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação

A função da Comissão Pastoral para a Comunicação da CNBB é de articular a comunicação na Igreja. Articular as bases. Nós temos muita coisa bonita acontecendo nas bases da nossa Igreja. E precisamos nos sentir corpo. A função da Comissão, portanto, é unir todas essas forças vivas por uma comunicação libertadora“. Esta é a definição do sentido do trabalho realizado pela Comissão Episcopal Pastoral para a Comunicação dada por seu presidente, dom Darci José Nicioli.

Junto com ele, dom Devair Fonseca de Araújo, bispo auxiliar de São Paulo e dom Roque Costa Souza, auxiliar do Rio de Janeiro formaram o quadro da comissão no quadriênio 2015-2019. Eles tiveram a colaboração como assessores do Pe. Antônio Xavier, da Comunidade Canção Nova em tempo integral e do Pe. Rafael Vieira, missionário redentorista que, nos últimos dois anos, divide o tempo com a função de assessor de imprensa da Conferência.

Trabalho realizado

Dom Darci afirma: “Nesses últimos quatro anos, posso dizer sem medo de errar, estamos vivendo tempos vibrantes e o exercício da comunicação nunca esteve – para o bem e para o mal –  tão envolvente, tão desafiador, tão necessário e tão importante para a missão da Igreja. Em cada uma das reuniões que tenho participado no Conselho de Pastoral (Consep), representando esta Comissão junto aos Irmãos bispos, vejo o quanto ainda fizemos pouco para ajudar com a comunicação em seu sentido amplo e, especialmente, no seu sentido pastoral“.

Tínhamos diante de nós um legado espetacular deixado por Dom Dimas Lara que coordenou os trabalhos no quadriênio anterior. Junto dele, uma “comandante-em-chefe” paulina chamada Ir. Élide Fogolari que enfrentou chuvas e trovoadas por bastante tempo sozinha na tarefa de levar adiante as tarefas da Comissão e que, com a chegada do Pe. Clóvis Melo, da Canção Nova, deixaram um trabalho que merece todo o nosso respeito e gratidão“, continua.

Principais projetos

No início, a Comissão elaborou quase 30 projetos que respondessem as necessidades da Igreja no Brasil no campo da comunicação e que fizessem obedecer aos quatro eixos da Pascom: formação, produção, mobilização e espiritualidade. Dom Darci confessa: “Claro que o tempo e o ritmo de nossas vidas nos impediram de realizar muita coisa. Eu, por exemplo, que me gabava do exigente trabalho de auxiliar o arcebispo de Aparecida, cardeal Damasceno, fui surpreendido com minha nomeação para Diamantina já no começo de 2016. No final de cada um desses anos, no entanto, temos corrigido esse planejamento quadrienal e permanecido com o essencial“.

Diretório e Muticom

O presidente enumera: “Assumimos prosseguir com o bonde na velocidade necessária para concluir o processo de divulgação do Diretório nos últimos regionais da CNBB que não tinham sido visitadas pela assessoria. Cumprimos o cronograma feito anteriormente e chegamos a cobertura total dos 18 regionais com essa tarefa de levar o texto ao conhecimento das nossas lideranças“.  E prossegue: “Três meses depois da Assembleia já estávamos em Vitória (ES) para o belíssimo encontro organizado por províncias eclesiásticas do Regional Leste 2. Lembro-me, como se fosse hoje, nossa ansiedade para conhecer e efetivamente participar daquele momento significativo de reflexão. Aproveitamos para mobilizar os coordenadores e fizemos várias reuniões paralelas para não perder tempo com o nosso trabalho. O outro Muticom que realizamos foi em Joinville, em Santa Catarina  e foi marcante, especialmente por causa da presença do então Prefeito da Secretaria de Comunicação da Santa Sé, Pe. Dario Viganò“.

Prêmios da CNBB e Dia Mundial das Comunicações

O presidente lembra um dos primeiros grandes desafios: “Saímos de um recesso e já tivemos que organizar inscrições, júris e entrega dos prêmios de comunicação da Conferência. Lembro-me a insegurança, a correria e as dificuldades que enfrentamos na edição de 2016. Em 2017, encontramos uma ocasião histórica para realizar o concurso: completamos 50 anos de premiação lembrando o ‘Margarida de Prata’, prêmio de cinema da Conferência concedido a primeira vez no agitado ano de 1967, o mesmo ano em que o Papa começava a publicar uma Mensagem para o Dia Mundial das Comunicações, instituído pelo Vaticano II. Nesse período, nossa comissão inseriu um elemento novo na escolha dos Prêmios: o júri dos bispos. Desse modo, como está hoje, depois que os professores de cada área escolhem três finalistas, os bispos, num júri instituído pelo Consep, escolhem os ganhadores“.

Em 2016, 2017 e 2018  este ano animamos o Dia Mundial das Comunicações com várias iniciativas. Tentamos criar uma “Romaria dos Comunicadores” para marcar uma espécie de lançamento nacional da Mensagem que o Papa divulga no final de janeiro. Em duas ocasiões, não conseguimos os resultados que esperávamos. Na última ocasião, por conta da generosidade dos nossos caros bispos referenciais no domingo de retiro da Assembleia Geral, fizemos uma simbólica Romaria e lançamento. O que podemos dizer, no entanto, que esses foram anos que as mensagens do Papa Francisco para o Dia Mundial das Comunicações foram muito comentadas nas redes sociais e em muitas iniciativas nos regionais, dioceses e paróquias” conta.

Padres cantores e Ensino à Distância

Dom Darci fala de uma iniciativa pioneira: “Desde as primeiras reuniões da Comissão, levantamos uma realidade que cria impacto em toda a Igreja no Brasil: o modo como se comunica os padres que se dedicam à música e realizam shows pelo País. Posso garantir que estamos progredindo, que estamos avançando, que estamos iniciando um caminho importante contando com ajuda do pioneiro Pe. Zezinho na reflexão sobre esse ministério e com o auxílio do Pe. Joaozinho na organização do grupo“.

O Ensino a Distância, amplamente preparado pela equipe anterior, foi assumido com responsabilidade pela nossa Comissão que contou com o trabalho do Pe. Antonio Xavier na coordenação e conclusão do curso sobre o Diretório tanto na organização das aulas, como no acompanhamento dos alunos. Depois do encerramento desse primeiro curso, começamos a motivar outros que ainda não foi possível lançar ao conhecimento de todos, mas continua sendo uma frente de trabalho em aberto e muito necessária“, explica.

Encontros da Pascom  e Agências Católicas

Dom Darci relembra: “Realizamos o quinto, em 2016, e estamos aqui em Aparecida para o sexto encontro. Seguimos o fluxo de trazer para esses encontros nacionais gente capacitada na ciência da comunicação para refletir com os agentes. O trabalho feito em colaboração com a Comissão da Liturgia da última vez foi de grande valor para ajudar na compreensão, cada vez mais necessária, da transversalidade da Pascom“.

O presidente registra uma iniciativa da atual Comissão: “Formatamos  a Rede Nacional de Agências Católicas. Este também foi um projeto que surgiu bastante promissor, se estendeu por algum tempo e hoje se encontra estacionado. A nós, parecia ter sentido. As primeiras adesões manifestavam disposição de deixarem de lado a concorrência de donos de agência e pensar num serviço à Igreja. Na prática, a caminhada não ocorreu. Fizemos 2 encontros. Constituímos uma coordenação nacional“.

Relevantes contribuições no Quadriênio

Dom Darci elenca três contribuições marcantes: a criação do prêmio de internet, “Dom Luciano Mendes de Almeida”,  a digitalização do material de preparação para o Dia Mundial das Comunicações e a participação no Conselho Episcopal Latino Americano (Celam).

Criamos, em 2017, um prêmio especial de comunicação para cobrir os trabalhos realizados na Internet. Acreditamos que se trata de um legado que deixaremos para as próximas equipes da Comissão. Havia muito tempo que se falava de algum mecanismo para um reconhecimento do episcopado das iniciativas interessantes que brotam desse novo ambiente de comunicação. O Prêmio faz homenagem a Dom Luciano, indiscutivelmente, um homem visionário e um intrépido comunicador. Esse prêmio inclui portais, sites, blogs, redes sociais e aplicativos. Este ano estamos na segunda edição e posso dizer que tivemos trabalhos muito interessantes que mereceram a atenção dos especialistas e dos bispos“.

Confesso que não foi tarefa fácil deixar o papel de lado e propor de enviar o material para divulgar o Dia Mundial das Comunicações em formato digital. É uma questão cultural. Somos ainda apegados ao papel e parecia que não ia funcionar. A reflexão na Comissão, principalmente impulsionada por Dom Devair Araújo, caminho na direção de colocarmos em prática os ensinamentos do Papa Francisco com a Encíclica Laudato Sì. Desse modo, enfrentamos o desafio e creio que já está sendo muito mais fácil acompanhar nossas orientações por meio digital do que aguardando poucos livretos que chegavam às dioceses e, muitas vezes, permaneciam na secretaria das paróquias“.

Por conta do meu ofício de presidir a Comissão, fui conduzido a uma equipe de comunicação do CELAM, em Bogotá. Participei de várias reuniões nesses últimos anos. Asseguro que temos muito o que aprender com nossos irmãos hispânicos, que a Igreja latino-americana e caribenha tem uma vastíssima reflexão no campo da comunicação e muitos passos a dar para uma integração maior. No ano passado, em março, fui representar a CNBB e levei um assessor comigo e tivermos a gratíssima surpresa de ver o quanto o nosso Diretório é admirado pelas outras conferências episcopais. Fomos citados e ‘assediados’ em função do interesse de todos pelo trabalho de comunicação que fazemos no Brasil. Naquele encontro, das 22 conferências do Conselho, 18 estavam representadas“.

Desafios

O presidente da Comissão lembrou o trabalho atual de preparação do Muticom 2019: “Já não será mais nossa equipe a acompanhar o Muticom do ano que vem, mas aquela que será eleita na Assembleia dos Bispos. Ainda assim, temos grandes desafios para este encontro“.

A Comissão deixou para a Igreja do Brasil, o Guia de Implantação da Pascom: “O trabalho feito na arquidiocese de Diamantina que serviu como base para elaboração do Guia de Implantação da Pascom mostra apenas que se trata de um projeto viável. Há muitos desafios ao redor do lançamento desse instrumento de trabalho“, disse dom Darci. E explicitou alguns desses desafios: “É preciso divulgar o Guia. A CNBB está publicando e pode ser adquirido com facilidade por meio da internet e entregue em qualquer parte do Brasil; É preciso aperfeiçoar o Guia. Faz parte do projeto do Guia que não seja um texto cristalizado, imposto, colocado de cima para baixo. É um texto para ser experimentado, melhorado, corrigido; É preciso que o Guia sirva especialmente às dioceses, paroquias e comunidades que ainda não tenham o trabalho da Pascom organizado. Não se trata de apenas fazer avaliação do texto, mas de usá-lo, efetivamente, para iniciar um trabalho em muitos lugares“.

Outra grande especial legado que a Comissão desse quadriênio deixa é o documento Orientações Pastorais para as Mídias de Inspiração Católica: “Este, talvez, seja um dos mais significativos trabalhos que podem ficar como marca desse quadriênio do nosso trabalho. Tudo começou com uma teimosa ideia em encontrar algum tipo de critério para servir de bússola para que os comunicadores católicos pudessem ver para onde estão indo. Chegamos a pensar num ‘Estatuto’ da comunicação católica. Veio ao nosso encontro uma necessidade de toda a Conferência: oferecer orientações para católicos que atuam nas mídias. A partir daí começou o trabalho que resultou no livrinho da coleção ‘Estudos da CNBB’ sobre orientações para as mídias.

Um outro passo importante do trabalho realizado, segundo dom Darci, foi a estruturação da coordenação nacional da Pascom. Penso que foi uma etapa importante para a realização dos trabalhos voltados para a Pascom. Hoje, o coordenador nacional é um jovem da arquidiocese de Vitória (ES), Marcus Tulius e a secretária nacional é a jovem Patrícia Luz,da arquidiocese de Salvador (BA).

Dom Darci conclui: “Quero encerrar o nosso trabalho, na próxima Assembleia Geral, em Aparecida, no mês de maio, lembrando o grande inspirador do nosso trabalho nesse quadriênio, o Papa Francisco. Aliás, eu fiz dessa inspiração uma ferramenta de trabalho e repeti em muitas ocasiões onde fui convidado a falar sobre a missão da comissão. Ele voltou a falar desse assunto na semana passada num encontro ecumênico: “a resposta aos passos vacilantes é sempre a mesma: caminhar segundo o Espírito, purificando o coração do mal, escolhendo com obstinação o caminho do Evangelho e recusando os atalhos do mundo […] Peçamos ao Espírito que revigore o nosso passo. Que as distâncias não sejam desculpas! É possível, já agora, caminhar segundo o Espírito. Rezar, evangelizar, servir juntos: isto é possível. Caminhar juntos, rezar juntos, trabalhar juntos: eis a nossa estrada-mestra.”

Fonte: CNBB
Última atualização: 15/03/2019 às 09:55:56
 
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente esta notícia

Nome:
Nome é necessário.
E-mail:
E-mail é necessário.E-mail inválido.
Comentário:
Comentário é necessário.Máximo de 500 caracteres.
código captcha
Código necessário.
 

Comentários

Seja o primeiro a comentar.
Basta preencher o formulário acima.

Rua Felino Barroso, 405 -  Bairro de Fátima  •  CEP: 60050-130  •  Fortaleza - CE
Caixa Postal 126 / 60001-970  •  Fone/Fax: (85) 3252-4046

  www.igenio.com.br