Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Outras Notícias - CNBB Nacional e Arquidiocese de Fortaleza

  14/06/2017 
MEMóRIA HISTóRICA

O verdadeiro sentido da Liturgia

Cidade do Vaticano (RV) – No nosso espaço Memória Histórica – 50 anos do Concílio Vaticano II, vamos tratar no programa de hoje sobre “o verdadeiro sentido da liturgia”.

 

A constituição Sacrosanctum Concilium - promulgada pelo Papa Paulo VI no dia 4 de dezembro de 1963, no final da segunda sessão conciliar - centra-se em torno da Liturgia, que é analisada pelos Padres conciliares sob "uma tríplice dimensão teológica, eclesial e pastoral: a liturgia é obra da redenção em ato, celebração hierárquica e ao mesmo tempo comunitária, expressão de culto universal, que envolve toda a criação".

Os padres conciliares descrevem ainda a Liturgia como "a primeira e necessária fonte onde os fiéis hão de beber o espírito genuinamente cristão".

A mesma Constituição,  afirma que Jesus instituiu o sacrifício da Santa Missa, a fim de perpetuar nos séculos, até a sua volta, o sacrifício da cruz, como nos explica o Padre Gerson Schmidt, incardinado na Arquidiocese de Porto Alegre:

“A constituição dogmática Sacrosanctum Concilium – no número 47 - afirma que Jesus instituiu o sacrifício da Santa Missa, a fim de perpetuar nos séculos, até a sua volta, o sacrifício da cruz[1]. Por isso, o “sacrifício dos cristãos não pretende completar o sacrifício da cruz, porém, torná-lo presente, atualizá-lo, desenvolver no hic et nunc (aqui e agora) a sua dimensão interna”[2]. No número 06 desse precioso documento Sacrossanctum Concilium – a constituição dogmática pilar de toda a valorização e renovação litúrgica -  está um título significativo: “A obra da salvação continuada pela Igreja realiza-se na liturgia”.

Começa dizendo assim esse número 06 da Sacrosanctum Concilium“Portanto, como Cristo foi enviado pelo Pai, assim também ele enviou os apóstolos, cheios do Espírito Santo, não só porque, pregando o Evangelho a todos os homens anunciassem que o Filho de Deus com a sua morte e ressurreição nos livrou do poder de satanás e da morte e nos transferiu para o reino do Pai, mas também para que levassem a efeito, por meio do sacrifício e dos sacramentos, sobre os quais gira toda a vida litúrgica, a obra de salvação que anunciavam”.

Aqui já vemos que essa obra da salvação é continuada na liturgia da Igreja. A Igreja perpetua a salvação de Cristo na sua ação sacramental e também querigmática. Na liturgia, de maneira especial, se perpetua e se atualiza a redenção de Cristo, a sua Páscoa pela humanidade. E continua o documento da renovação litúrgica nesses termos: “Assim pelo batismo os homens são inseridos no mistério pascal de Cristo: com ele mortos, sepultados, e ressuscitados; recebem o espírito de adoção de filhos, “no qual clamam: Abba, Pai ” (Rm 8,15), e se tornam assim verdadeiros adoradores que o Pai procura. Do mesmo modo, toda vez que come a ceia do Senhor, anunciam a sua morte até que venha. Por esse motivo, no próprio dia de Pentecostes, no qual a Igreja se manifestou ao mundo, “os que receberam a palavra” de Pedro “foram batizados”. E “perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comum fração do pão e na oração… louvando a Deus e sendo bem vistos por todo o povo” (At 2,41-47). Desde então, a Igreja jamais deixou de reunir-se para celebrar o mistério pascal: lendo “tudo quanto nas Escrituras a ele se referia” – palavras de Jesus aos discípulos de Emaús – em Lc 24,27, celebrando a eucaristia na qual “se representa a vitória e o triunfo de sua morte” e, ao mesmo tempo, dando graças “a Deus pelo seu dom inefável” (2Cor 9,15) em Cristo Jesus, “para louvor de sua glória” (Ef 1,12) por virtude do Espírito Santo”(SacrosanctumConcilium, 06).

A liturgia, portanto, é a celebração por excelência do Mistério Pascal de Cristo agora realizado em nossas vidas, em nossa história concreta, na atualidade da vida concreta dos que ali celebram a salvação. Portanto, se pudéssemos resumir numa só palavrinha o que vem a ser a Eucaristia, não seria “sacrifício”, como pretenderia aqueles padres altareiros do século XII. Não será a palavra “adoração e louvor” como poderiam pretender os carismáticos. Não seria “unidade e comunhão” como poderiam sugerir os focolarinos. Não seria “rito de expiação” como poderiam pretender a ordem dos padres penitentes e confessores. Que nenhum desses grupos se sintam aqui atingidos, pois todas essas realidades também fazem parte da liturgia. Mas a palavra que melhor define a Eucaristia é MISTÉRIO PASCAL, como é a definição conciliar, mistério este recordado, renovado e atualizado em cada banquete eucarístico que é celebrado em qualquer canto de nosso planeta”. 

_________________________

[1] SC, 47.

[2] BETZ, J. Em MysteriumSalutis 8. In: Dicionário de Liturgia, Organizado por DominicoSartore e Achille M. Triancca, Paulus, SP, 1992, p. 1078. 

 

Fonte: www.br.radiovaticana.va
Última atualização: 14/06/2017 às 11:55:41
 

Notícias Relacionadas

07/06/2017    Pentecostes e a Igreja pós-conciliar
31/05/2017    Carismas e dons que levam a Cristo Senhor
17/05/2017    A renovação da Páscoa pelo Concílio - memorando
10/05/2017    O Espírito Santo, a maior novidade do pós-Concílio
03/05/2017    O Espírito Santo, que falou pelos Profetas
 
Versão para impressão Diminuir tamanho das letras Voltar Página inicial Aumentar tamanho das letras

Comente esta notícia

Nome:
Nome é necessário.
E-mail:
E-mail é necessário.E-mail inválido.
Comentário:
Comentário é necessário.Máximo de 500 caracteres.
código captcha
Código necessário.
 

Comentários

Seja o primeiro a comentar.
Basta preencher o formulário acima.

Rua Felino Barroso, 405 -  Bairro de Fátima  •  CEP: 60050-130  •  Fortaleza - CE
Caixa Postal 126 / 60001-970  •  Fone/Fax: (85) 3252-4046

  www.igenio.com.br